domingo, 21 de novembro de 2010

MÁQUINA DO TEMPO





O sono é que me consome! Não tenho condições de me recuperar.
Quero livrar-me desse vazio, dessa dormência
Quero me fazer esquecer o que jamais poderia.
Quero entrar num buraco escuro e dormir
por apenas um segundo para acordar em outra dimensão,
recuperar o que foi perdido. Quero ver as coisas como
se fosse a primeira vez, quero voltar à inocência
resgatando a infância, a essência, a beleza.
E quando chegar à adolescência fazer tudo de novo, sem reservas,
lembrar de errar sem querer  corrigir, quero esquecer o pudor,
extravasar e exagerar, mas consciente de que
continuo nesse espaço que agora se torna mais habitável.
Quero estar a frente num mundo só meu, adquirido
sem muito esforço, apenas com fantasias.
E enfim, numa bela paisagem com canto de pássaros,
cheiro de mato, barulho de  vento  ensimesmar-me
 podendo respirar tranquilamente e num último suspiro
esvaziar-me, descansar  e sem pensar em mais nada
abandonar-me completamente.

2 comentários:

  1. são elucubrações dessa monta que me verte à tentar entender o intendível.( será que essa palavra ixeste)?

    ResponderExcluir
  2. "o sono é que me consome,
    quero entrar num buraco escuro e dormir
    esvaziar-me, descansar e, sem pensar em mais nada...
    abandonar-me completamente".
    eis ai a essência de tudo, desse todo!

    ResponderExcluir