sexta-feira, 15 de junho de 2018

RASCUNHOS




Sou personagem rascunhada num papel
Sou abusada, sem chances de reclamar
Minha casa, um tumulo, virou meu lugar
Sou Araceli, Fabiane ou Thainá

Boca tapada, cala boca. Vai chorar¿(pausa)
Então vou te matar.
Tantas mulheres já passaram em minhas mãos
Faça o que eu quero não importa a condição
Tem pouca idade, se é adulta e daí¿
Se me prender, se me matar... um novo surge ali

Olha moço, eu não quero te ofender,
Mas porque isso, eu só quero estudar,
Me deixa ir, eu tenho pressa,
Uma vida inteira pra sonhar
Porque será que faz do fraco uma força
Pra você¿
Ce ta doente, deixa eu ir, não vou gritar
Eu só não quero ser estatística
A minha mãe ta esperando o açúcar pra adoçar
Eu tenho prova na escola e minhas amigas pra brincar
O moço deixa eu ir, por favor...
Tenho uma vida pra sonhar.

quinta-feira, 22 de março de 2018

O NADA



Eu as vezes gosto de parar pra não fazer nada
Gosto de parar meu tempo presente
E dizer pra mente
não pensar em n-a-d-a

O "nada" embora pareça nada significar
pode ser um aliado pra alma, pro espirito,
pro instinto, essas coisas abstratas, sei lá
Sei que pra calmaria, pode até ajudar

Gosto de deitar em meu leito
Daquele jeito, só pra refrescar o meu peito
Olhar pro teto que não me traz afeto
E sentir o branco bem alvo que nada me diz

Ao invés  de dizer que quero fazer
Quero não dizer, pra não ter nenhuma obrigação
Nada posso fazer ou nada posso dizer
Porque o dito e o não feito, não valem nada

EU GOSTO DO NADA!

Eu as vezes gosto de parar pra não fazer nada
Mas também gosto de olhar
pro horizonte e não ver nada,
a não ser...um grande reflexo do meu "tudo"

(inacabado)

terça-feira, 28 de junho de 2016

PELE ESCURA



Minha veia africana vem da ancestralidade.
Minha carne é dura e minha pele escura,
Sou fruto do bem e minha alma é pura!

Se dizem que a vida é uma coisa divina.
Então porque já nos criticam desde menina?
  "Sua pele é escura. Porque sua cor é tão diferente?"

A diferença eu preciso explicar
na escola já mascaram a etnia dos fatos,
minha pele escura é resultado de um ato,
uma mistura, um contato.

A minha cor escura, envolvente e pertinente
embeleza o meu ser.
A minha carne dura, é resistente
não me deixa envelhecer.

É possuo com essência jovial,
Sou negra, e que mal há nisso?"
Sou negra negritude... africanidade,
afro-brasileiro, afrodescendente.
Sou negra, negra valiosa, negra virtuosa
negra com  a-ti-tu-de!



CALVÁRIO





Rasgaram minhas vestes diante do opressor,
segui o caminho em silêncio,
passos tímidos, cabisbaixo.

Sangrei antes de ouvir o primeiro zunido,
o chicote de nylon me tocava,
chorei lágrimas de orvalho.

Cantei os salmos dos Orixás,
pedindo proteção as divindades,
mas, sem  desistir dos olhos de quem me feria.

Ele sabe, ele viu
que com minha carne rasgada e ferida
me torno mais frágil e febril.

E sem dar resultados, sem voz e sem pão
deixou-me de lado até me tornar
um bicho vazio sem vida e sem alma
Deixado no chão. 



terça-feira, 14 de junho de 2016

LINGUAGEM SOLTA

Uma língua solta, falante dentro da cavidade bucal,                                                                                 não se cansa de expelir palavras solta-las ao vento.                                                  
Venenos sangrentos que fazem mal à alma e fere,                                                                                    e por onde passa é ingrata, inerte,       
adverte com criticas soltas e palavras duras.                                                                                                                      
Palavras que não cessam, não regressam,                                                                                                 insistem em desafiar, julgar                                                                                                                   reduzindo a nada com palavras, sem gestos,                                                                                 investindo em lábias insignificantes, intolerantes,                                                                               com o que você chama de conversas  perversas                                                                                                        
Palavras soltas, desconexas, tão soltas                                                                                                   servem apenas para regredir, diminuir ou sucumbir.                                                                                    


Mas as palavras faladas, moduladas, coesas                                                                                           servem para contribuir, instruir,                                                                                                                 invadir as idéias numa consonância entusiasmante                                                                                   que num compasso frenético vão surgindo instintivamente                                                                       agora não mais soltas, mas, envoltas, desenvoltas. 

LAMENTO



Me recorta de cima a baixo,
me esquarteja e me fere.
Minhas angustias já foram vista
meu mundo está rubro,
parece que estou me repetindo.

A cabeça desbaratinada, 
pressão, confusão, dor intensa.
Preciso fugir para nunca mais voltar,
esquecer como se a minha hora
tivesse chegado deixando pra trás os meus.

Vou ao encontro da paz,  aquela que não conheci
quero sentir a leveza,  que nunca senti.
Não quero esperar deixando a vida me levar
agora é hora de ignorar, aprender, recomeçar.

Porque se aqui eu ficar lágrimas vão rolar,
lágrimas de dor e não de amor, 
Porque se aqui eu ficar,  não vou mais dormir , 
vou enlouquecer, não vou sobreviver
Porque se aqui eu fingir, vou me reprimir.

segunda-feira, 13 de junho de 2016

MUSICA












Ao som de uma bela canção merecemos estar,                                                             são tantas e tantas Chão de giz ou Saber amar.                                                             Só a música tem o poder de nos tocar.                                                         Como Duas Lágrimas de Orvalho                                                                               sinto a música escorrendo em mim.                                                                                 E no Cotidiano já não vivo sem ela.                                                                               O quereres é sempre mais que  um querer,                                                                 querer estar  nos Baile da vida,                                                                                     ou na Travessia de uma viagem dançante                                                                   que nos faz repousar num Silencio de um minuto.