terça-feira, 28 de junho de 2016

PELE ESCURA



Minha veia africana vem da ancestralidade.
Minha carne é dura e minha pele escura,
Sou fruto do bem e minha alma é pura!

Se dizem que a vida é uma coisa divina.
Então porque já nos criticam desde menina?
  "Sua pele é escura. Porque sua cor é tão diferente?"

A diferença nem precisa explicar
na escola já se ensina a etnia dos fatos,
minha pele escura é resultado de um ato,
uma mistura, um contato.

Voltando e contando ninguém acredita
a história se repete que coisa maldita!

A minha cor escura, envolvente e pertinente
embeleza o meu ser.
A minha carne dura resistente
não me deixa envelhecer.

A melanina que possuo tem essência jovial,
"é que sou negra. E que mal há nisso?"
Sou negra negritude... africanidade,
afro-brasileiro, afrodescendente.
Sou negra, negra valiosa, negra virtuosa
negra com  a-ti-tu-de!



CALVÁRIO





Rasgaram minhas vestes diante do opressor,
segui o caminho em silêncio,
passos tímidos, cabisbaixo.

Sangrei antes de ouvir o primeiro zunido,
o chicote de nylon me tocava,
chorei lágrimas de orvalho.

Cantei os salmos dos Orixás,
pedindo proteção as divindades,
mas, sem  desistir dos olhos de quem me feria.

Ele viu, ele sabe
que com minha carne rasgada e ferida
me torno mais frágil e febril.

E sem dar resultados, sem voz e sem pão
deixou-me de lado até me tornar
um bicho vazio sem vida e sem alma.. 



terça-feira, 14 de junho de 2016

LINGUAGEM SOLTA

Uma língua solta, falante dentro da cavidade bucal,                                                                                 não se cansa de expelir palavras solta-las ao vento.                                                  
Venenos sangrentos que fazem mal à alma e fere,                                                                                    e por onde passa é ingrata, inerte,       
adverte com criticas soltas e palavras duras.                                                                                                                      
Palavras que não cessam, não regressam,                                                                                                 insistem em desafiar, julgar                                                                                                                   reduzindo a nada com palavras, sem gestos,                                                                                 investindo em lábias insignificantes, intolerantes,                                                                               com o que você chama de conversas  perversas                                                                                                        
Palavras soltas, desconexas, tão soltas                                                                                                   servem apenas para regredir, diminuir ou sucumbir.                                                                                    


Mas as palavras faladas, moduladas, coesas                                                                                           servem para contribuir, instruir,                                                                                                                 invadir as idéias numa consonância entusiasmante                                                                                   que num compasso frenético vão surgindo instintivamente                                                                       agora não mais soltas, mas, envoltas, desenvoltas. 

LAMENTO



Me recorta de cima a baixo,
me esquarteja e me fere.
Minhas angustias já foram vista
meu mundo está rubro,
parece que estou me repetindo.

A cabeça desbaratinada, 
pressão, confusão, dor intensa.
Preciso fugir para nunca mais voltar,
esquecer como se a minha hora
tivesse chegado deixando pra trás os meus.

Vou ao encontro da paz,  aquela que não conheci
quero sentir a leveza,  que nunca senti.
Não quero esperar deixando a vida me levar
agora é hora de ignorar, aprender, recomeçar.

Porque se aqui eu ficar lágrimas vão rolar,
lágrimas de dor e não de amor, 
Porque se aqui eu ficar,  não vou mais dormir , 
vou enlouquecer, não vou sobreviver
Porque se aqui eu fingir, vou me reprimir.

segunda-feira, 13 de junho de 2016

MUSICA












Ao som de uma bela canção merecemos estar,                                                             são tantas e tantas Chão de giz ou Saber amar.                                                             Só a música tem o poder de nos tocar.                                                         Como Duas Lágrimas de Orvalho                                                                               sinto a música escorrendo em mim.                                                                                 E no Cotidiano já não vivo sem ela.                                                                               O quereres é sempre mais que  um querer,                                                                 querer estar  nos Baile da vida,                                                                                     ou na Travessia de uma viagem dançante                                                                   que nos faz repousar num Silencio de um minuto.



O abrir e fechar das cortinas





Abrem-se as cortinas, vê-se apenas uma penumbra, aos poucos seres vão surgindo, bulindo singelamente enquanto a luz se intensifica. A música suave qualifica os movimentos completando um cenário simples. Liberdade no corpo, liberdade que vem do fundo da alma, novos movimentos vão surgindo, agora não mais suaves, mas, impetuosos. Olhos atentos deslumbram essa mistura de alegria, dor e solidão, são corpos que meneiam num espaço perfeito dividindo a emoção que emana de dentro para fora dando formas volúveis aos improvisos que compõem uma dança desconhecida, de linguagem metafórica.
Braços entrelaçados, pernas ao ar, giros constantes dão sentido ao balanço da dança, passos precisos, encontros de olhares e um conjunto de luzes, perpetuam a coreografia. Tanta inspiração e magia faz o palco estremecer, suspiros são arrancados da platéia e essa mesma vibração é resposta de uma verdade interior, uma verdade capaz de transformar a dança em poesia, o ritmo em alegria.

Fecham-se então as cortinas, vê-se apenas um negrume, os seres vão surgindo agora apenas para receber os aplausos excitados do público que é dominado por um prazer imaginável, sem reservas. Gritos intermináveis tomam conta do espaço levando todos sem exceção ao chamado estado de êxtase, resultando num prazer coletivo, um orgasmo artístico.